terça-feira, abril 26, 2011

A IRRESPONSABILIDADE

Estive a ouvir com atenção os discursos do 25 de Abril, tanto os da avenida como os de Belém e fiquei convencido de que os políticos que tiveram responsabilidades nos órgãos do poder, continuam a alijar as suas responsabilidades pela difícil situação que o país enfrenta.

As palavras de circunstância nada acrescentam para solucionar os nossos problemas. Não penso que a solução seja o entendimento entre partidos, mas sim a clarificação do que estão dispostos a fazer para se sair do buraco.

Não vejo os partidos a explicar até onde estão dispostos a ir, antes das exigências da “troika” serem reveladas, pelo que depreendo que o programa de governo de vários partidos para os próximos anos, seja o que a “troika” lhes indicar.

O que está na calha é mais do mesmo que tem sido feito na última década, que é o aperto do cinto dos mais desprotegidos, e a continuação do enriquecimento dos que já são muito ricos, e das isenções de impostos e outras contribuições dos grandes grupos económicos e entidades bancárias, que continuam a apresentar lucros chorudos.

Continuar a aumentar as desigualdades e a pobreza não é solução. O povo já não aguenta mais austeridade, pois do pântano fomos até à tanga e da tanga caímos nos planos de empobrecimento colectivo, sem que um só político tenha admitido as suas responsabilidades.

É forçoso mudar de políticos e de políticas!

««« - »»»
Foto - Paleta de cor
 By Palaciano
««« - »»»
Humor - O Odor do Poder

7 comentários:

São disse...

Convenhamos: temos tanta ou mais responsabilidade do que quem nos tem (des)governado ao longo de todo este tempo, porque votamos sempre nos mesmos!

Será desta que mudamos? Ou continuaremos também a elevar a abstenção?

Boa semana.

Zé Marreta disse...

Ponham no boletim de voto o Partido da Troika.

Saudações!

Daniel Santos disse...

apoiado!!!

valquiria calado disse...

Parabéns a Portugal pelo 25, que muitos outros se junte a esses, em vitórias de cravos e rosas.


Bjos amigo

MARIA disse...

Pasmo e náusea, foram sensações que me acompanharam no decurso das audições.

Vi e ouvi coisas que apesar de tudo tinha a ingenuidade de pensar que os respectivos Autores iam conter nem que fosse por pudor.

Isto está "reles", muito "reles", é a expressão que me parece mais adequada ao estado desta nação ...


Um beijinho amigo

LopesCa disse...

Cada vez tenho menos paciência para a política :s

Isamar disse...

Não espero que a situação melhore sem uma reviravolta nas políticas e nos políticos. Com estes, vamos ter mais do mesmo. Infelizmente é o que sinto.

Beijinhos

Bem-hajas!