quinta-feira, dezembro 29, 2011

ENQUANTO NÃO DÓI A SÉRIO

Por esta altura os portugueses ainda andam ocupados com as os festejos da passagem do ano, com a ementa do jantar, ou com o almoço do dia de Ano Novo, por isso o governo vai aproveitando para carregar um pouco mais a lista dos sacrifícios para 2012, sem que o pessoal se aperceba.

A comunicação social também não está muito virada para análises profundas, como balanços do ano que está a findar ou previsões sobre o ano que vai começar, porque não há jornalismo de investigação e também eles se acham com direito a aproveitar as festas.

As notícias são interessantíssimas, como por exemplo as bandalheiras da Casa dos Segredos”, a placa do Largo José Sócrates, ou que Richard Nixon era homossexual.

Para 2012 não será com anestesias destas que os portugueses deixarão de sentir as dificuldades que já se perfilam, porque no final dos salários sobrará ainda mês, e o futuro de jovens e menos jovens tornar-se-á cada vez mais cinzento à medida que aumenta o desemprego e diminui a protecção social.

Por cá (e por agora) tudo como dantes, no quartel de Abrantes!


terça-feira, dezembro 27, 2011

BIZARRIAS

Ficámos todos a saber pela Lusa que a GNR de Braga já deteve 16 vezes o dono de uma pastelaria da cidade por alegadamente se encontrar dentro do estabelecimento uns minutos para além do horário de funcionamento.

Diz-se que uma infracção é sempre uma infracção e que a lei é para se respeitar, e eu até concordo, mas esta notícia não deixa por isso de ser completamente bizarra.

O senhor ministro da Administração Interna ao ler esta notícia deve reflectir bem, e pronunciar-se sobre este procedimento dos agentes que de si dependem, porque a levar a sério este tipo de infracção, então a maioria dos seus agentes anda a fingir que não vê e não sabe o que se passa por este país fora.

Imagine-se que os gerentes bancários eram detidos de cada vez que se vissem funcionários a trabalhar depois da hora? E podia continuar a enumerar empresas e mesmo serviços públicos onde isso acontece, sem que a autoridade manifeste a sua presença e tome qualquer medida.

Por este andar ainda haverá algum cívico mais zeloso que vá ao gabinete do Álvaro e lhe dê ordem de detenção por querer que se trabalhe mais meia hora diária sem remuneração, o que a Constituição naturalmente não permite. Afinal o liberalismo pode ser perverso, não é?

««« - »»»
Música - Solo do tema do Padrinho


««« - »»»
Humor Tirado da Cartola
By Lijara

segunda-feira, dezembro 26, 2011

A REPÚBLICA DE BANANAS

Uma das funções que todos esperam seja cumprida pelo Estado é a da regulação dos diversos sectores da economia, não apenas para assegurar uma concorrência leal entre empresas, mas sobretudo para assegurar que os serviços são prestados a preços justos, satisfazendo a procura dos cidadãos.

Nos nossos tempos até assistimos à criação de entidades reguladoras dos diversos sectores, muitas vezes funcionando independentemente da própria administração central, ainda que por vezes com competências dentro do meio consultivo.

Seja como for, e independentemente dos órgãos reguladores e fiscalizadores, a anarquia é uma realidade, demonstrando-se assim que o Estado não é capaz, ou não deseja fiscalizar e/ou regular algumas actividades económicas, abdicando das suas obrigações e competências.

O sector dos transportes é bem elucidativo da falta de autoridade e de respeito que existe para com as entidades reguladoras, ou seja o Estado, já que as empresas já anunciaram aumentos de preços dos transportes para vigorarem a partir de 1 de Janeiro, quando o governo ainda não definiu qual é o valor da subida.

O ministério da Economia está em absoluta letargia e finge que não tomou conhecimento dos anúncios tornados públicos pelas empresas transportadoras, para não ter que tomar as medidas que se impõem. Afinal onde é que pára o Álvaro?

««« - »»»
As Flores do Jardim

««« - »»»
Retrato Actualizado
Passos Coelho
1.342

quarta-feira, dezembro 21, 2011

FALAR DE BARRIGA CHEIA

Depois de um secretário de Estado, e do primeiro-ministro, eis que vem um deputado ao Parlamento Europeu, de peso e com peso no PSD, exaltar a solução da emigração para quem não encontra trabalho em Portugal.

Aquilo que podia ter sido um mero lapso comunicacional, afinal é uma ideia arreigada neste partido instalado no poder, o que dá um sinal muito negativo deste tipo de governação.

Já se sabia que o ministério da Economia tem sido inoperante, mas faltava ainda ouvir da boca de governantes que não existe qualquer estratégia de crescimento para o país.

Quanto a Paulo Rangel, para quem este tipo de declarações não são “motivo para escândalo”, convém recordar que é um emigrante privilegiado que pouco ou nada sabe das dificuldades ligadas ao desemprego e à emigração forçada. Apetece dizer que para o seu lugar, senhor deputado há mais de 700 mil candidatos.

««« - »»»
Foto - Vermelha

««« - »»»
Humor e Ideias

terça-feira, dezembro 20, 2011

O NATAL E OS PRESENTES

Não pretendo discutir a racionalidade dos presentes de Natal, e muito menos as convicções religiosas relativas a esta quadra, mas tão só mostrar uma visão muito minha.

Considero que o mais importante no Natal é a reunião familiar, que não acontece assim tantas vezes que não mereça uma especial relevância, especialmente para um filho único.

Não terei sido dos mais desafortunados, e posso dizer que até tive alguns presentes de Natal quando era criança, ao contrário de tantos outros que nada tiveram, mas fui educado de modo a lhes dar muito valor, e a conservá-los com todo o carinho.

Gosto de dar presentes às crianças. Confesso que quando dava algum presente aos meus filhos mais velhos, que sabia que era o que desejavam, me sentia contente por o poder satisfazer. A utilidade dos presentes sempre foi tida em conta, porque nunca fui nem rico nem esbanjador.

Com a idade, e porque os filhos já são adultos e já me deram uns quantos netos, o que me dá mais prazer nesta quadra é ter a família reunida em volta da mesa de Natal, e saber das traquinices dos mais novos, admirar as suas gracinhas, e constatar que os filhos estão bem encaminhados na vida.

Afinal há muitas formas de dar e de receber. Os presentes agora já não são tão importantes para mim, embora para os pequenos haja sempre um mimo, o que mais importa é a reunião familiar. Afinal é um bom presente de Natal.


domingo, dezembro 18, 2011

QUE MISÉRIA DE GOVERNANTES

Os governantes que temos tido nos últimos 20 anos demonstraram a sua fraca qualidade, não só atendendo ao mau estado da nossa economia, mas sobretudo devido às más opções que tiveram quando sentados nas cadeiras do poder.

É frequente ouvir governantes deitarem as responsabilidades aos que os antecederam, ainda que os seus partidos tenham partilhado o poder intermitentemente nas últimas décadas. Apesar das promessas com que brindam os eleitores, os resultados estão à vista e as responsabilidades morrem sempre solteiras.

A falta de sentido de Estado e até de vergonha, manifesta-se a cada dia, e hoje temos Passos Coelho a sugerir a emigração de professores desempregados, o que se alargou também a profissionais de outras áreas como a saúde, o ambiente e as comunicações.

Confesso que é penoso ouvir da boca dum 1º ministro aquele tipo de declarações, até porque tem cortado exactamente nas áreas da educação, comunicação, ambiente e saúde, apesar do atraso que temos nestas áreas relativamente aos nossos parceiros europeus.

Os cidadãos deste país investiram imenso nestas áreas, e refiro-me às famílias e contribuintes em geral, e agora vem Passos Coelho dizer que foi um investimento para se deitar borda fora, para se entregar de mão-beijada a países estrangeiros.

Como é que um país com os menores níveis de escolaridade da sua população se pode dar ao luxo de “aconselhar” a emigração de uma geração, que é apenas a mais bem apetrechada a nível de escolarização?

««« - »»»
Humor sem Bola de Cristal

««« - »»»
Imagem Curiosa
Estudo by Palaciano

sexta-feira, dezembro 16, 2011

A PANACEIA DA CREDIBILIDADE

A Constituição tem sido usada como desculpa para a ineficácia dos governos, que dizem sempre ser necessário alterá-la para conseguirem atingir determinados objectivos.

Passos Coelho vem agora com a sua “regra de ouro” dizer que é preciso inscrevê-la na Constituição, para credibilizar os compromissos assumidos nos pactos de estabilidade e crescimento.

Estranho motivo este, invocado por quem não cumpre os seus compromissos para com os cidadãos deste país, desrespeitando mesmo a Constituição que jurou defender.

As palavras bonitas “tal como as dívidas são para se pagar, os acordos são para se cumprir” ficam bem na boca de quem preza a sua palavra e cumpre as suas promessas, e disso Passos Coelho não se pode gabar nem orgulhar.

««« - »»»
Experiências
By Palaciano
««« - »»»
Humor em Tempos de Crise

quinta-feira, dezembro 15, 2011

A VULGARIDADE INTELECTUAL

Hoje, (...) o homem médio tem as «ideias» mais taxativas sobre quanto acontece e deve acontecer no universo. Por isso perdeu o uso da audição. Para quê ouvir, se já tem dentro de si o que necessita? Já não é época de ouvir, mas, pelo contrário, de julgar, de sentenciar, de decidir. Não há questão de vida pública em que não intervenha, cego e surdo como é, impondo as suas «opiniões».

Mas não é isto uma vantagem? Não representa um progresso enorme que as massas tenham «ideias», quer dizer, que sejam cultas? De maneira alguma. As «ideias» deste homem médio não são autenticamente ideias, nem a sua posse é cultura. A ideia é um xeque-mate à verdade. Quem queira ter ideias necessita antes de dispor-se a querer a verdade, e aceitar as regras do jogo que ela imponha. Não vale falar de ideias ou opiniões onde não se admite uma instância que as regula, uma série de normas às quais na discussão cabe apelar. Estas normas são os princípios da cultura. Não me importa quais são. O que digo é que não há cultura onde não há normas. A que os nossos próximos possam recorrer.

Não há cultura onde não há princípios de legalidade civil a que apelar. Não há cultura onde não há acatamento de certas últimas posições intelectuais a que referir-se na disputa. Não há cultura quando as relações económicas não são presididas por um regime de tráfico sob o qual possam amparar-se. Não há cultura onde as polémicas estéticas não reconhecem a necessidade de justificar a obra de arte.
Quando faltam todas essas coisas, não há cultura; há, no sentido mais estrito da palavra, barbárie. E isto é, não tenhamos ilusões, o que começa a haver na Europa sob a progressiva rebelião das massas. O viajante que chega a um país bárbaro, sabe que naquele território não regem princípios aos quais possa recorrer. Não há normas bárbaras propriamente ditas, a barbárie é ausência de norma e de possível apelação.


Ortega y Gasset, in 'A Rebelião das Massas'

««« - »»»
Humor do Pinóquio

terça-feira, dezembro 13, 2011

A SAÚDE E O DINHEIRO

Há quem continue a pensar que é apenas o dinheiro que faz o mundo girar, e engana-se, porque sem saúde o dinheiro não vale nada.

A riqueza resulta do trabalho de todas as actividades que se conhecem, mas para trabalhar as pessoas necessitam de ter saúde, porque senão não podem produzir o suficiente para ser suficientemente rentável o seu desempenho.

Em Portugal temos políticos e gestores que encaram a saúde apenas como um negócio e não como um investimento, demonstrando completa falta de visão.

É um dado adquirido e comprovado que trabalhadores motivados, saudáveis e confiantes no seu futuro são mais produtivos, mas a aposta dos nossos políticos actuais vai exactamente em sentido contrário.

A boa saúde dos cidadãos é do interesse de todos, Estado, patronato e restante população, e as medidas que este governo está a tomar, que não moderam o seu acesso, antes o dificultam ou mesmo impedem, são inconstitucionais e lesivas do interesse nacional.



segunda-feira, dezembro 12, 2011

A PROPORCIONALIDADE

Um dos pilares de qualquer Democracia é a Justiça. A Justiça é responsável por manter os equilíbrios necessários ao desenvolvimento social, garantindo também a igualdade de direitos e a defesa dos mais fracos.

A Democracia em Portugal está a padecer de diversos males, e entre eles está o da falta de eficácia e de proporcionalidade da Justiça.

Presentemente o sentimento dos portugueses é de que há dois tipos de Justiça, a dos pobres e a dos ricos. Na realidade o acesso à Justiça por parte dos que dispõem de fracos meios financeiros é muito limitado, e tem vindo a piorar nestes últimos dois ou três anos.

É um facto também que começam a ser desproporcionais as próprias prioridades que o poder político impõe ao sistema judicial. Veja-se por exemplo a intenção declarada de penhorar viaturas a quem não pague portagens, como se não existissem já previstas penalizações para estas infracções.

No extremo oposto das prioridades está a penalização de quem prejudicou o país e os depositantes nos casos do BPN e do BPP, casos que mexem com milhares de milhões de euros.

Outras perplexidades que nos fazem questionar a nossa Justiça são os contratos reconhecidamente ruinosos para o Estado nas Parcerias Público Privadas, em que não existem responsáveis por incúria nem por dolo.

Quando os cidadãos deixam de acreditar na Justiça, começam também a duvidar que este sistema seja verdadeiramente Democrático.

««« - »»»
Pintura - Eléctrico Vermelho
by Kegriz

««« - »»»
Foto - Outono Vermelho

domingo, dezembro 11, 2011

O DINHEIRO

O dinheiro é tão bonito,
Tão bonito, o maganão!
Tem tanta graça, o maldito,
Tem tanto chiste, o ladrão!
O falar, fala de um modo...
Todo ele, aquele todo...
E elas acham-no tão guapo!
Velhinha ou moça que veja,
Por mais esquiva que seja,
Tlim!
Papo.

E a cegueira da justiça
Como ele a tira num ai!
Sem lhe tocar com a pinça;
E só dizer-lhe: «Aí vai...»
Operação melindrosa,
Que não é lá qualquer coisa;
Catarata, tome conta!
Pois não faz mais do que isto,
Diz-me um juiz que o tem visto:
Tlim!
Pronta.

Nessas espécies de exames
Que a gente faz em rapaz,
São milagres aos enxames
O que aquele demo faz!
Sem saber nem patavina
De gramática latina,
Quer-se um rapaz dali fora?
Vai ele com tais falinhas,
Tais gaifonas, tais coisinhas...
Tlim!
Ora...

Aquela fisionomia
É lábia que o demo tem!
Mas numa secretaria
Aí é que é vê-lo bem!
Quando ele de grande gala,
Entra o ministro na sala,
Aproveita a ocasião:
«Conhece este amigo antigo?»
— Oh, meu tão antigo amigo!
(Tlim!)
Pois não!

João de Deus, in 'Campo de Flores'


««« - »»»
Humor - A Diferença

««« - »»»
Foto - A Rosa

sexta-feira, dezembro 09, 2011

PIOR A EMENDA...

As medidas restritivas impostas pelo governo já atingiram o ponto em que o que o Estado arrecada de receitas é inferior ao que gasta devido às consequências das próprias medidas.

Os cortes nos subsídios de Natal deste ano já se notam no comércio, onde os gastos diminuíram significativamente relativamente ao ano anterior. Dá para ter uma ideia bem fundamentada, de que nos próximos dois anos, com os cortes dos subsídios de férias e de Natal, aos funcionários públicos e pensionistas, as vendas serão ainda piores.

O aumento da taxa de IVA na restauração já a partir de Janeiro, vai causar uma diminuição muito significativa do movimento nos restaurantes, o que vai fazer com que a receita deste imposto seja um fracasso monumental.

O corte de feriados e a supressão de pontes terá um efeito negativo no turismo interno, que sustenta boa parte dos equipamentos turísticos nacionais, especialmente em época baixa, que serviam para ir aguentando o sector enquanto a procura externa era baixa.

A cobrança de portagens nas Scut, para sustentar empresas que beneficiaram de contratos ruinosos para o Estado, vai reflectir-se em aumentos dos produtos para consumo interno, e também para encarecer as nossas exportações. Há outros efeitos associados, como o aumento do tráfego em estradas pouco cuidadas, mais acidentes e mortes.

O pior disto tudo é que este conjunto de medidas causa um aumento do desemprego cujos custos para o erário público é enorme, já para não falar em outros custos sociais cuja dimensão é sempre muito difícil de quantificar.

Tal como se diz na gíria, “é pior a emenda que o soneto”.

««« - »»»
Humor Natalício

quinta-feira, dezembro 08, 2011

FRASES SOBRE O PROGRESSO

"A palavra ''progresso'' não terá qualquer sentido enquanto houver crianças infelizes."

Albert Einstein

"O progresso roda constantemente sobre duas engrenagens. Faz andar uma coisa esmagando sempre alguém."

Victor Hugo

««« - »»»
Humor - Apanhar Chapéus


««« - »»»
Vídeo e Arte

quarta-feira, dezembro 07, 2011

TOLICES DE CONSERVADORES

Por vezes lemos notícias que nos parecem verdadeiras anedotas, e creio mesmo que há jornais a competir nessa área, ou pelo menos jornalistas que tem esse condão.

Imagine-se alguém a citar um tal de Dan Gaionor, membro do conservador Media Research Center, dizendo: “É impressionante o quão longe a extrema-esquerda vai para manipular as crianças, para convencê-las, para lhes passar mensagens antimultinacionais” e “há décadas que o fazem… Hollywood, a esquerda, os média, todos odeiam a indústria petrolífera… Eles odeiam a América empresarial”.

Gente assim até consegue dizer que a Disney e o resto da indústria cinematográfica se entretém a tecer uma agenda secreta para lavar o cérebro das criancinhas contra o capitalismo.

Este anticomunismo primário está a fazer escola em certos meios dos EUA, e parece que a indústria cinematográfica daquelas paragens pode estar ameaçada por um novo Macartismo.

Por cá também já começam a aparecer uns laivos do mesmo mal, e temos uns que dizem que há anarquistas preparados para fazer tumultos, e outros que pensam que os hackers são perigosos esquerdistas. Essa gente apela à preparação de polícias especiais para combater estas “ameaças dos nossos tempos”.




segunda-feira, dezembro 05, 2011

TEMPO DE ANTENA

Começa a ser difícil engolir a descarada propaganda feita na TVI pelo comentador Marcelo Rebelo de Sousa. Como se sabe qualquer governo tem bastante tempo de antena, devido ao que decide e ao que é necessário explicar à opinião pública, mas não é necessário “esticar” ainda mais esse tempo com as opiniões de alguém que é completamente alinhado com este governo.

Neste domingo o professor desafinou estrondosamente quando classificou os hackers que “atacaram” diversos sites oficiais portugueses, de gente de esquerda. Não acredito que um professor universitário, e político bem informado, creia verdadeiramente que um hacker tenha agenda política.

Conforme me indignei em tempos quando MRS foi “boicotado” numa televisão, agora fico revoltado com o facto de se ter tornado num propagandista deste governo, ainda que numa televisão privada. Embora esteja tudo perfeitamente dentro da lei, acho que até ele teria todo o interesse em não estar nesta posição, sem ninguém que exerça o contraditório numa ocasião em está no poder o PSD.

A ler também AQUI


domingo, dezembro 04, 2011

DA ÍNDOLE DOS HOMENS

A índole é, muitas vezes, ocultada; outras, subjugada; quase nunca extinta. A força faz a índole mais violenta, em represália; a doutrina e o discurso tornam-na menos importuna; somente o costume alcança alterá-la e refreá-la. Àquele que busca vencer a sua própria índole não se deve propor tarefas nem muito grandes nem muito pequenas; as primeiras torná-lo-ão desalentado ante os sucessivos fracassos; as outras, devido às repetidas vitórias, torná-lo-ão convencido. A princípio, deve-se adestrar com auxílios, como o fazem os nadadores com bexigas ou cortiças; mas ao cabo de certo tempo, é mister se adestre com desvantagens, como os dançarinos com sapatos pesados. Chega-se a grande perfeição quando a prática é mais árdua do que o uso. Quando a índole é pujante e, por consequência, difícil de vencer, o primeiro passo será resistir-lhe e deter-lhe os ímpetos a tempo, a exemplo daquele que, quando estava irado, repetia as vinte e quatro letras do alfabeto; em seguida, racioná-la em quantidade, como o que, proibido de beber vinho, passou dos repetidos brindes a um trago nas refeições; por fim, anulá-la de todo.

Não erra o antigo preceito em recomendar que, para endireitar a índole, se a encurve até ao extremo contrário, contanto que este não seja vicioso. Ninguém deve impingir a si mesmo um hábito com perpétua continuidade, mas sim com alguma intermitência. A pausa reforça a nova arremetida, e se alguém que não seja perfeito estiver sempre em adestramento, exercitará tanto os seus erros quanto as suas habilidades, convertendo ambos em hábitos; e não há outra maneira de evitar isso senão mediante intermitências regulares. Que ninguém confie excessivamente na vitória que alcançou sobre a sua própria índole, pois esta pode permanecer soterrada por longo tempo e, contudo, reviver conforme a ocasião ou tentação.
(...) Por isso, é mister, ou evitar inteiramente a ocasião, ou expor-se-lhe frequentemente, de modo a alcançar ser pouco movido por ela. A índole de um homem é melhor percebida na intimidade, quando não há afectação; na paixão, que o faz desbordar dos seus preceitos; ou no curso de algum novo caso ou experimento, pois então o costume o deserta.
(...) Nos estudos, seja o que for que um homem imponha a si mesmo, cumpre-lhe estabelecer horas certas para eles; mas no que for agradável à sua índole, não se deve preocupar com horas determinadas, pois os seus pensamentos voarão para lá por si mesmos, de modo que lhe bastará estabelecer horário apenas para as demais ocupações ou estudos.

Francis Bacon, in "Ensaios Civis e Morais"

««« - »»»
Foto - Azenhas do Mar

««« - »»»
Humor - O Fim

sábado, dezembro 03, 2011

QUE CONSENSO NACIONAL?

É sabido que nós estamos inseridos numa Europa que nunca foi realmente sufragada pelos portugueses. Fizeram-se acordos e tratados sem nunca ser dada a voz ao povo e apesar de muitos nos terem prometido um referendo, quando chegou a oportunidade houve quem recuasse com desculpas de mau pagador.

Foi-nos prometida uma Europa de oportunidades, uma união entre países solidários, um espaço inclusivo onde todos tínhamos voto na matéria.

À partida fomos forçados a abdicar de posições na agricultura e nas pescas, a troco de fundos que diversos governos desperdiçaram, e alguns usaram para tudo menos para a modernização do tecido produtivo. A moeda única acabou por cegar os órgãos decisores e foi o que se viu com o crédito fácil e barato.

Chegadas as primeiras dificuldades foi fácil constatar a falta de solidariedade, traduzida nas “ajudas” a juros bem compensadores, e no auxílio tardio. Os países mais expostos à divida externa e com um tecido produtivo mais fraco estão praticamente de rastos, e a Alemanha e a França passam a tomar as decisões sempre em reuniões bilaterais.

Agora temos o nosso ministro dos Negócios Estrangeiros, Paulo Portas, a pedir consenso nacional sobre o novo tratado. Dá vontade de perguntar, que tratado? Um tratado que está a ser cozinhado apenas pela senhora Merkel e pelo senhor Sarkozy?

Não sei de que consenso fala Paulo Portas, nem sequer acredito que os portugueses venham a ser consultados sobre isso. Será que o consenso de que fala o ministro continuará a ser a obediência cega às ordens do directório franco-alemão?

Esta Europa não é a Europa dos cidadãos, e que se saiba os portugueses não elegeram nem a senhora Merkel nem o senhor Sarkozy, nem deram legitimidade ao nosso governo para tomarem decisões sobre um novo tratado. A Democracia tem destas coisas, que são os limites da legitimidade dos governos.

««« - »»»
Humor e Capital

««« - »»»
Foto - Parafusos Ferrugentos

sexta-feira, dezembro 02, 2011

MENTIRAS, OMISSÕES E HIPOCRISIA

Alguns portugueses bem se podem queixar da qualidade dos governantes que temos. A grande maioria não votou sequer em quem detém o poder, outros votaram neles mas foram iludidos pelo que eles diziam quando ainda estavam na oposição.

Podia aqui recordar mentiras para todos os gostos, invocando as palavras dos actuais membros do governo, tanto do PSD como do CDS, mas isso agora é irrelevante. As omissões na política são uma constante e são geralmente invocadas mais tarde para justificar a quebra de promessas, atirando-se sempre culpas para quem os antecedeu. A hipocrisia é o resultado final das duas premissas anteriores.

O que se passa com os cortes dos subsídios de Natal e de férias dos funcionários públicos e dos pensionistas, é o exemplo perfeito dos três pecadilhos de que vos falei anteriormente.

O que era uma tolice nas palavras de Passos Coelho na oposição, passou a ser inevitável agora que é 1º ministro. Os cortes no sector privado estavam fora de questão até à aprovação do Orçamento de Estado para 2012, mas logo depois já não haviam garantias nenhumas.

Se o PSD e o CDS saem mal na fotografia, com mentiras e omissões, a hipocrisia também salpica o PS, que veio cantar vitória com alterações minimalistas aos cortes. O pior estava para vir e surgiu também depois da votação do OE, quando alguns deputados do PS “descobriram” que estes cortes dos subsídios eram inconstitucionais, coisa que era mais do que conhecida de todos.

A política não pode ser feita com mentiras, omissões e tanta hipocrisia. Os cidadãos que são ao mesmo tempo contribuintes e eleitores, merecem ser respeitados por quem se candidata a lugares públicos. Quem não sabe respeitar os lugares que ocupa não merece também ser respeitado, e é esse o risco que corre quem julga que os portugueses aceitam continuar a ser enganados para todo o sempre.

««« - »»»
Humor e Cavalgaduras
Quanto mais nos baixamos...
««« - »»»
Vídeo - O Charlatão

quarta-feira, novembro 30, 2011

UM ERRO COLOSSAL

Os problemas da economia europeia têm sido sistematicamente combatidos pelos governos com a redução significativa de salários e de direitos, sempre acompanhada por um aumento de impostos.

Até hoje ainda não houve nenhum país onde isto resultasse num aumento de produtividade, ou diminuição do desemprego. Como costuma dizer um amigo meu que é economista, isto é como o doente a quem vão solucionando o mal recorrendo a amputações, que depois o transformam num ser incapaz de se valer a si próprio e incapaz de produzir o que quer que seja.

Os governantes e as suas claques partidárias ficam muito irritados com a indignação e revolta que vai aumentando nos cidadãos, mas não conseguem convencer-nos de que existam no Orçamento de Estado para 2012, medidas que promovam o crescimento e o emprego, condições indispensáveis à melhoria do nível de vida dos portugueses, que deve ser a missão dos políticos.

Os cidadãos querem melhorar as suas condições de vida e necessitam de ganhar esperança no seu futuro, mas o governo só sabe anunciar sacrifícios e não dá nenhuma esperança, nem aponta nenhum horizonte realista para a inversão das políticas recessivas.

««« - »»»
Foto - Os Cortes
By David Caballero
««« - »»»
Humor Poluente

terça-feira, novembro 29, 2011

PECADO DA SOBERBA

Sempre ouvi dizer que “quem tudo quer, tudo perde” mas parece que os senhores que apoiam este governo desconhecem o ditado, ou desconhecem o funcionamento da economia.

Já decidiram o corte dos subsídios de féria e de Natal dos funcionários públicos e dos pensionistas em 2012 e 2013, mas nunca se preocuparam muito com o que vão perder no que respeita a IRS, como se isso não fosse importante. Só o era, na sua óptica relativamente ao sector privado, disseram.

Agora mexeram no IVA, e fizeram disparates que nem um analfabeto faria. A água engarrafada paga o mesmo imposto que o vinho, e a restauração passa para os 23% de IVA.

Ninguém nos veio dizer qual o impacto destas medidas, ao nível das receitas cobradas e do desemprego que vão gerar, porque nem eles sabem em que é que se meteram.

Aumentam os horários de trabalho do sector privado em meia hora, diminuem o número de feriados e cortam nas férias e no pagamento do trabalho extraordinário, sem se perguntarem pelo impacto. Quantos postos de trabalho se vão perder?

Estas medidas, entre outras, vão ter efeitos negativos no emprego e na economia, mas temos um governo que teima em castigar os cidadãos, sem ter qualquer previsão fundada da bondade e da utilidade das mesmas.

Será que alguém se convence que quanto mais pobres formos melhor ficará o país?



segunda-feira, novembro 28, 2011

O FADO E O COELHO

Não tenho intenção de falar deste quadro de Malhoa, O Fado, mas apenas registar aqui que a canção nacional é Património Mundial.
Esperemos que o fado seja bem aproveitado pela promoção turística e cultural do nosso país, que bem precisa do Turismo para equilibrar a nossa balança comercial.


««« - »»»
Passava Bem Sem Este Roedor

Este é o Coelho que nos tramou 3 Natais seguidos. Ao que parece o dito roedor continua a pensar que toda a gente que ganha mais do que o ordenado mínimo (485 euros) já merece ser penalizado pelos erros de governação dos executivos das últimas dezenas de anos.

domingo, novembro 27, 2011

PENSAMENTO DE DOMINGO

Quando nos obrigam cada vez a mais esforços, e quando todos sentimos que o aperto já começa a deixar de ser suportável, o sentimento de revolta cresce, porque depois de tanta austeridade, não há quem nos mostre um horizonte de esperança.

A miséria só principia, quando temos empobrecido até de esperanças.


Emanuel Wertheimer

««« - »»»
Humor de Bolso Vazio

««« - »»»
Pintura - Um par no Outono
By Leonid Afremov

sábado, novembro 26, 2011

PENSAMENTO

Perante a falta de valor que os políticos dão à sua própria palavra e aos seus compromissos assumidos perante os cidadãos, deixo aqui um sábio pensamento.

É indispensável boa memória após se haver mentido.

Pierre Corneille
««« - »»»
Humor - Eu sou mais mentiroso do que tu

««« - »»»
Pintura Outonal

sexta-feira, novembro 25, 2011

MERKOZY

Merkel confirmou que Paris e Berlim já estão "a trabalhar as proposta de modificações" aos tratados da União Europeia.


A Democracia na Europa não pode estar limitada às vontades de nenhum directório constituído pelo eixo franco-alemão como o que se tem instalado no últimos tempos.

quinta-feira, novembro 24, 2011

O ABUSO PREVISÍVEL

A atitude do governo perante as leis laborais começa a gerar os seus resultados, beneficiando de uma certa espécie de chefes e de patrões.

Numa empresa bem conhecida de todos, os trabalhadores foram ontem chamados à chefia que lhes perguntou se nesta quinta-feira iriam trabalhar. Os trabalhadores que conhecem bem a espécie de indivíduo que estava à sua frente, nem se atreveram a dizer que desejavam fazer greve, mas dois disseram que não tinham transporte para se deslocarem de casa para o serviço e vice-versa.

O chefe, com um ar seráfico, diz muito espaçadamente: isso é um problema que cabe a cada um resolver tomando a iniciativa de ir de táxi, pedir uma boleia ou conseguir ultrapassar a dificuldade de outro modo possível. Quem não se apresentasse ao trabalho seria considerado como aderente à greve.

A conversa acabou com a chamada de atenção, muito subtil, para o facto de se estar a ponderar a renovação dos contratos a prazo que ligam a maioria dos trabalhadores à empresa, o facto de o país estar em crise, e também a possibilidade de no próximo ano haver a possibilidade de contratar desempregados, e há muitos, recebendo por parte do Estado um incentivo quase no valor do ordenado mínimo, que aliás é o que auferem aqueles trabalhadores.

Como vêem trata-se de um chefe eloquente, duma boa empresa portuguesa, onde se respeita a lei e os direitos dos trabalhadores. Nada há onde se possa pegar que configure infracção ao Código do Trabalho. É tudo muito civilizado e demonstra na perfeição uma preocupação social extrema.

««« - »»»
Humor - A Queda

««« - »»»
Flor- Pronta a Colher

quarta-feira, novembro 23, 2011

A FLEXIBILIDADE DO GASPAR

O ministro das Finanças personaliza na sua pessoa o governo de que é membro, e o que ele diz é o que o colectivo decide. Sempre que ouvimos o ministro Vítor Gaspar, já sabemos que vem aí mais algum ataque aos contribuintes.

Não causou grande admiração ouvir há dias o ministro das Finanças dizer que não podia recuar nos cortes dos subsídios dos funcionários públicos e dos pensionistas. Os motivos alegados foram a falta de almofadas ou de alternativas, o facto de só poder ser substituído por outros cortes na despesa pública, e o acordo feito com a troika.

Diferente é o caso da recapitalização da banca, não que me cause grande admiração, que pode vir a ser alterada, nas palavras do mesmo ministro. Agora não fala dos prazos impostos pela troika, mas admite alargar os prazos de reembolso por parte da banca. Curiosamente fica-me também na memória o facto de Vítor Gaspar já ter dito que o Estado, apesar de passar a ser investidor nos bancos, vai ser um actor passivo, o que não lembra nem ao careca.

A flexibilidade do ministro Gaspar só existe para a banca, porque no que respeita aos que vivem dos rendimentos do trabalho, pensionistas e desempregados, a flexibilidade é nula.

««« - »»»
Foto - Asno

««« - »»»
Humor Inflexível