segunda-feira, março 22, 2010

A PROPÓSITO DE “VOYEURISMO”

O episódio dos computadores dos deputados veio levantar alguma celeuma quanto à privacidade daqueles senhores que têm assento no nosso Parlamento. Terá um qualquer repórter fotográfico, direito de fotografar o ecrã do computador dum deputado sentado no hemiciclo?
Eu acho que não é muito curial mandar os mirones para os monitores dos computadores do vizinho, e portanto e em princípio, sou contra a devassa da vida pessoal de toda a gente.

A minha aversão à intromissão abusiva não me faz esquecer a prática conhecida em muitas empresas e em organismos públicos. Como se sabe, não é normal que seja permitido aos trabalhadores a utilização indiscriminada da internet com fins alheios à actividade do serviço.

Os computadores de trabalho só devem ser usados para essa finalidade, e tanto quanto sabemos não ouve qualquer intervenção do senhor deputado que se sentiu ofendido, quando se tornaram públicos os casos de trabalhadores castigados por utilização indevida dos computadores dos serviços. Casos há em que há câmaras a vigiar os trabalhadores durante todo o horário laboral e também casos em que o administrador da rede é instado a reportar o tráfego dos funcionários na Internet.

Não sei se o senhor deputado terá razão para reclamar, quando se permitem situações onde a vigilância vai muito além do razoável, com o seu silêncio.

««« - »»»
Fotos e Faces de Fruta
Tropical Cat By Heliopa


African Chief By SpiderFan

««« - »»»

Humor Invasivo

900

3 comentários:

São disse...

Isso só revela a duplicidade de critèrios subjacente a grande parte do com+portamento dos políticos, não é?

O humor está muito bom, rrss

Boa noite.

Anónimo disse...

O que é que estaria a ver o Lelo?
Lol

AnarKa

tulipa disse...

Li o que escreveu sobre a prática conhecida em muitas empresas e em organismos públicos. Não é normal que seja permitido aos trabalhadores a utilização indiscriminada da internet com fins alheios à actividade do serviço.
Os computadores de trabalho só devem ser usados para essa finalidade, e tanto quanto sabemos não ouve qualquer intervenção do senhor deputado que se sentiu ofendido, quando se tornaram públicos os casos de trabalhadores castigados por utilização indevida dos computadores dos serviços. Casos há em que...
e também casos em que o administrador da rede é instado a reportar o tráfego dos funcionários na Internet.

Pois é...e, quando na mesma empresa proibe-se umas coisas a uns e aos "afilhadinhos" dos Chefes, deixam ter instalado o Messenger e esse funcionário pode até estar no chat com os seus amigos...
É ridículo, não é?
Mas sempre continuará a haver filhos e enteados...
Boa noite.