terça-feira, dezembro 15, 2009

O ESPÍRITO DA ÉPOCA

A época natalícia costuma ser uma altura em que os portugueses se esquecem um pouco das cautelas e abrem os cordões à bolsa para terem a alegria e o prazer de ofertarem devidamente a família e alguns amigos. Tem sido assim até este ano mas, sim há um grande MAS, agora a situação é diferente, e mesmo que alguns o não consigam explicar, o “mas” é um verdadeiro travão que se sente mesmo.

A taxa de desemprego é simplesmente aflitiva, e são cada vez mais os portugueses que deixam de ser apoiados socialmente e no futuro não há esperanças de melhorias. Os que trabalham sabem bem que os salários são dos mais baixos da União Europeia, e que o miserável salário mínimo está ameaçado pelos mesquinhos patrões, que querem mais apoios mas não abrem os cordões à bolsa.

Ouço uns quantos falarem da diminuição da despesa corrente do Estado, cortando-se nos vencimentos, mas porque é que não se corta nas aquisições de serviços e nas Parcerias Público-Privadas (PPP) onde só os privados têm lucros garantidos? Atente-se ao que diz o Tribunal de Contas, se não acreditam no que digo.

Meus caros, se os portugueses cortarem substancialmente nos presentes de Natal, como se diz, os senhores empresários podem começar a arranjar espaço nos armazéns para guardar os monos, podem preparar-se para pedir uns dinheiros para a próxima colecção, com um spread mais alto como convém, e também podem começar a elaborar mais uns papéis para o fundo de desemprego.

Portugueses sem dinheiro para gastar no Natal é sinal de tudo o que disse, e talvez mais alguma coisa que mais à frente se verá.

««« - »»»
Fotos - Prova de Força
Happy meal By castiza

bestfriend By aheadmon

««« - »»»
Humor Caceteiro
À força...

««« - »»»
Música

7 comentários:

Ferreira-Pinto disse...

Meu caro, como deve compreender é mais fácil silenciar a plebe mostrando-se inclemente com a função pública, por exemplo, congelando ou reduzindo salários.
Enquanto esfregam as mãos de contentes, nem dão por ela que lhe aumentaram a electricidade, a água, o gás, os transportes ...
Já quanto aos poderosos, convém bater a bola baixa! Quem paga a campanha ou nos pode vir a contratar não se hostiliza.

Angela Ladeiro disse...

O Ferreira Pinto, tem razão! Concordo...No próximo ano teremos mais surpresas...entretanto e sem muitos presentes, UM BOM NATAL

Anónimo disse...

O governo e o patronato em plena sintonia talvez a exigir uma resposta firme e enérgica dos trabalhadores que afinal são quem os sustenta.
Lol

AnarKa

Anónimo disse...

O governo e o patronato em plena sintonia talvez a exigir uma resposta firme e enérgica dos trabalhadores que afinal são quem os sustenta.
Lol

AnarKa

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Papoila disse...

O trabalho tem sido tanto que ainda nem senti a época natalícia... nem um presente comprado...
Beijos