terça-feira, abril 07, 2009

UNS MAIS IGUAIS DO QUE OUTROS

Que me perdoem os que estudam as leis, os que as aplicam e até os que as redigem, mas eu sempre julguei que os cidadãos deste país deviam ser TODOS iguais perante a Lei. Não me acusem já de ingenuidade, porque eu não estou a falar do tratamento que a Justiça dá aos casos que julga, porque aí todos sabemos que uma boa defesa, e o dinheiro para usar todos os estratagemas dilatórios que a Lei concede, torna-nos diferentes, tanto quanto o tamanho da carteira.

O que pretendo denunciar e o valor diferenciado que é dado à palavra de um deputado, e à de um outro qualquer cidadão português. Sei que estou a falar de um regime de presenças e de faltas que se aplica APENAS a deputados, mas o espírito que presidiu à elaboração deste regime é, ainda assim, discriminatório.

Independentemente da sua legitimidade, representação ou idoneidade, um deputado continua a ser um cidadão, com responsabilidades acrescidas, pago pelo erário público e ao serviço do povo. Nada, absolutamente nada, faz com que a palavra de um deputado faça MAIS fé do que a palavra de outro qualquer cidadão, como acaba por transparecer do articulado do artigo sétimo do novo regime de presenças e faltas dos deputados.

Um deputado pode até que não ter que apresentar justificação para faltas até cinco dias, o que não pode é dizer-se que a sua palavra faz fé, ao justificar-se aludindo motivos de doença, o que não é permitido a nenhum outro cidadão por conta de outrem, em nenhum tipo de regime laboral.

É o princípio que está em causa, e dos nossos representantes podemos, e devemos exigir que respeitem o princípio constitucional de igualdade.



««« - »»»
Pressão ou Sugestão?

««« - »»»
Foto de Outono em Sintra
By Palaciano

««« - »»»
Humor no Urinol
Lubomir Kotrha

Lubomir Kotrha
740

6 comentários:

alex disse...

Amigo
os cartoons estão espectaculares e a fotografia da vila de Sintra espectacular ,a vila que eu nasci.
Agora em relação aos deputados poderem faltar 5 dias, o que eu que eu posso dizer é o país que temos. E sem levares a mal ês um pouco ingénuo sim.

beijo

ana p roque disse...

Já se sabe,que uns são mais iguais que outros.
Até podemos exigir que respeitem o
princípio constitucional de igualdade.
Mas eles é que não cumprem,era bom
que os deputados estivessem ao serviço do povo,é para isso que são pagos e com o nosso dinheiro,mas não,aquilo é um furozito para ganhar mais uns tostões... no final do mês
coitados!

Bela foto,os cartoons falam por si :-)

cumps

Vieira Calado disse...

Há os filhos e os enteados.
Desejo uma boa quadra pascal para você.

Um abraço.

Meg disse...

Guardião,

Chame-se o Orwell...
Não sei como hei-de qualificar esta última "novidade", mas já reparaste como se pode estar uma semana de férias, quando apetecer... simplesmente?
cinco dias, mais dois sábados e dois domingos...
Não é para o vulgar cidadão, só para os lordes.
E viva a República!
Um abraço

Anónimo disse...

O sistema fecha-se sobre si próprio, os deputados passam a representar-se a si mesmos e não aos eleitores. Este sistema, ou pelo menos estes partidos esgotaram-se.
Não há vergonha, logo não suscitam confiança, já que não me consta que algum tenha contestado este sistema ou regime de faltas.
Lol

AnarKa

Isamar disse...

Infelizmente é este o país que temos e nós temos culpas no cartório. Estes são os senhores que elegemos para nos representar e os exemplos vêm de cima. Assim sendo quem é que pode aceitar uma coisa estas?
Só nós!

Um abraço

Bem-hajas!