quinta-feira, abril 02, 2009

LIDO POR AÍ

Para quem já tem alguns anos e viveu intensamente o mundo noticioso, há notícias que se lêem hoje e nos levam às recordações do passado. Uma notícia que apanhei aqui pela rede foi sobre o projecto “Sopa da Noite” que já arrancou no Porto, e que foi promovido pela Santa Casa da Misericórdia da Invicta. Alguns, certamente já poucos, lembrar-se-ão da Sopa do Sidónio”, esta atribuída a Sidónio Pais embora tenha sido apenas um aproveitamento das “Cozinha Económicas” criadas já no tempo de D. Carlos.

Há alguns anos a TAP separou o handling da empresa, criando a Groundforce com todos os inconvenientes para os seus funcionários afectos a esse sector. Recordo-me bem que se afirmava que a separação do negócio era bom para a empresa e que iria trazer lucros à empresa. Como o mundo dá muitas voltas, a TAP vai seleccionar agora o banco que irá vender 50,1% da Groundforce, precisamente numa altura em que o mercado está pelas ruas da amargura.

O caso Freeport continua a fazer correr muita tinta, com denúncias de pressões, com desmentidos do senhor Smith que não correspondem ao que se conhece do tal DVD cujo conteúdo vai sendo disponibilizado por aí, e com a inexplicável lentidão da Justiça neste caso que até pode estar ligado a crimes que podem já ter prescrito.

Portugal continua a funcionar mal, em demasiados sectores, e não se deitem as culpas à crise internacional de todos os males, porque cá dentro também se faz muita asneira que vamos todos pagando.



««« - »»»
Fotos & Fumos
Smoking Advocacy by beckinacea



««« - »»»
Humor Cultural
Effat

Effat

8 comentários:

ana p roque disse...

Desde a sopa a tudo o resto,só prova que Portugal vai mal e não é só de agora,chegou ao caos!!!

E só pode haver alterações,com mudança de mentalidades,essa é a parte mais díficil!

Noite tranquila.

Isamar disse...

As crises internas têm sido muitas, meu querido Guardião. Parece-me que desde sempre. Bom seria que só as internacionais nos afectassem. O problema é interno e difícil de sarar.

Beijinhos

Bem-hajas!

Anónimo disse...

Sem fome e desemprego as grandes fortunas definham.
Lol

AnarKa

Meg disse...

Guardião,

E lá andamos nós a coincidir nos temas, por portas travessas...

Parece que Portugal tem defeito de nascença.

Um abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

Guardião
De tanto mal nos sói viver neste país de cão.
Mas algo vai suceder.
É a minha previsão.
Não podemos andar sempre dobrados para o chão
aceitando tudo o que nos querem fazer crer.
Um dia diremos NÃO.
Talvez mais rápido do que o que se previa.

Abraço

Pata Negra disse...

Qual crise qual carapuça! A mim não me enfiam mais a carapuça da crise, ouço falar dela desde que me lembro! O problema reside no país a começar pelos que nos governam - sempre os mesmos nomes e apelidos!
Gostei do suporte do cigarro.
Um abraço com uma crise mas é de hemorróidas

MARIA disse...

Olá Guardião, saudade do meu bom amigo ...
Obrigado pela sua visita.
Este País está uma intragável caldeirada...

Um beijinho amigo

Maria

Maria Faia disse...

Estimado Amigo Guardião,
Esta sua postagem é a expressão exacta do que nos vai na alma, da insatisfação que sentimos em verificar que a nossa jovem democracia ainda tem um longo caminho a percorrer!
Preocupam-me as desigualdades sociais, a fome e a exclusão mas, não me preocupa menos o deficitário funcionamento da nossa justiça e as suas sistemáticas "fugas" de informação ou de desinformação, a falta de escrúpulos de alguma imprensa para quem o lucro é o único dono e senhor, a demora na conclusão dos processos de investigação e/ou julgamento etc.
Mas, na base de tudo isto, reside um grande déficit de valores éticos, sociais e comunitários com que nos deparamos hoje e, por isso, parece que "vale tudo".
Hoje ouvi uma notícia que me deixou com os cabelos em pé - um indivíduo condenado por corrupção é nomeado administrador de uma empresa pública municipal...
Como é que uma pessoa séria se pode indignar por ver o seu nome ser "vilipendiado" por gente imoral e sem escrúpulos se os maus exemplos vêm de cima?
É caso para perguntar que raio de sociedade é esta em que vivemos?!

Um abraço amigo,
Maria Faia