terça-feira, março 10, 2009

PRIORIDADES

Os portugueses já se vão apercebendo de que o Ministério da Cultura, sem dinheiro para manter o Património em condições condignas com a sua importância monumental e histórica, não lidera a aventura que é a construção de um novo Museu dos Coches, a mudança do Museu de Arqueologia e o destino a dar às instalações de onde vão ser retirados.

Enquanto vemos o Património classificado a deteriorar-se gradualmente e ouvimos os lamentos habituais da crónica falta de verbas do Ministério da Cultura, assistimos em simultâneo ao esbanjar de dinheiros, sob a batuta do ministro Pinho e do Turismo de Portugal, com anúncios de grandeza absolutamente desnecessária.

O desmantelamento do M.C. e dos institutos que tutelam o Património - museus, palácios e monumentos – está em marcha acelerada, e já começou há muito com a dissolução da DGEMN, Direcção Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais, logo no início desta legislatura.

A fusão da DGEMN no IPPAR, que veio a originar o IGESPAR, não se traduziu na soma dos recursos das antigas estruturas na que acabou por resultar da fusão, ao contrário ficámos com o IGESPAR com menos recursos financeiros do que existiam previamente à reestruturação.

O futuro não augura nada de bom para a área do Património, e a tomada de assalto dos museus, palácio e monumentos, parece estar a começar a desenhar-se, seja pela criação de novas empresas públicas, seja pela entrega pura e simples a privados de Património Nacional, sem se conhecerem bem os limites que o governo pensa impor a si mesmo.



««« - »»»
Fotografias de Estátuas
TEE

Max Nemudry

««« - »»»
Humor & Economia
Daryl Cagle

Nate Beeler

7 comentários:

F Nando disse...

Não venham falar em falta de dinheiro mas é de uma IRRESPONSABILIDADE o que tem sido o abandono de tanto património e o novo-riquismo dos governos

ana p roque disse...

Como sempre,nunca há dinheiro
para o que é necessário.
Entretanto o Património vai-se,
por incúria e desprezo para com os simbolos históricos da Pátria.

cumps

Portaria ILEGAL disse...

José Eduardo dos Santos Presidente de Angola depositou uma coroa de flores na estátua do Camões não sem antes perguntar se ela estava à venda, conhecedor de como Portugal trata o seu Património o Presidente Angolano sugeriu a compra da Assembleia da Republica para lá instalar um campo de golfe, toda a comitiva aplaudiu a ideia e houve até quem emocionado aponta-se a Torre de Belém como o local ideal para a nova embaixada Angolana.

Isamar disse...

Mas ainda há ministério da cultura? Pouco ou nada se tem feito neste mandato e segundo me apercebo isto vai de mal a pior. Questiono-me: tem futuro um país que não defende o seu passado?
Espero que alguém meta mãos à obra.É que ver o património nacional a deteriorar-se desta maneira dói muito. Sobretudo àqueles que pugnam pela conservação do passado de que muito se orgulham.

Um abraço

Meg disse...

Caro Guardião,

Como já estás farto de saber, sobre o Património estamos conversados. Mudanças para melhor?
Só para os "muito" ingénuos.

E acho que o Obama está certo.

Um abraço

São disse...

Pobre cultura tão abandonada que está.
Saudações.

Pata Negra disse...

às vezes uns talibans como aqueles que destruíram as estátuas milenares podiam dar jeito! podia ser que a malta acordasse de vez! perdíamos um monumento mas salvaríamos muito mais!

A imagem do bombeiro com a mangueira não ilustra bem a situação. Um balde estaria mais de acordo! Tudo o que estão a fazer é mandar uns simples baldes de água para um incêndio de grandes proporcões! Isto já não se apaga com mangueiras, só o contrafogo e o vento nos podem ajudar!
Um abraço com os pés quentes