domingo, janeiro 04, 2009

PATRIMÓNIO E DEGRADAÇÃO

Quando escrevi o post anterior não fazia a mínima ideia que o tema iria ser também manchete no semanário Expresso do passado fim-de-semana. Enquanto eu peguei pelo lado da “Fartura Inexplicável”, que é o investimento de 31,5 milhões de euros no novo Museu dos Coches até 2010, o Expresso foi por outro aspecto “ Um terço do património UNESCO em Portugal em risco de derrocada”.

Não se julgue que estou contra o forte investimento no Património em particular, e na Cultura em geral, porque não é nada disso, o que me preocupa é que haja tanto dinheiro para um só museu, importante sem dúvida, mas que deixemos “morrer” património, por falta de manutenção, por falta de atenção e por má gestão política.

Começa a ficar patente a opção política de deixar cair os nossos monumentos emblemáticos, verdadeiras âncoras do comércio e restauração locais e do turismo cultural, abandonando até as obras de manutenção dos edifícios, que por esse motivo entram em degradação a olhos vistos. Foram muitos os que torceram o nariz às primeiras declarações do actual ministro da Cultura, quando afirmou que queria fazer mais com menos dinheiro. Eu comecei desde logo a colocar a hipótese de ele ter sido nomeado para alienar o Património para a mão de privados, e pelos vistos tanto eu como os que torceram o nariz estávamos certos.

A notícia do Expresso é bastante elucidativa, e duvido que o senhor ministro venha a terreiro contrariar o que é dito sobre a degradação do Património que é mais do que evidente, e mesmo falando dos 27 milhões para investir na Rota do Património (Mosteiro da Batalha, Mosteiro de Alcobaça, Torre de Belém, Mosteiro dos Jerónimos e Convento de Cristo), é muito mais o que fica de fora do que aquilo onde, talvez ( só talvez), se venha a fazer algo em prol da sua recuperação.

Falem-me de hotéis de charme, que eu gosto, mas digam quem paga as obras e a quem será adjudicado e com que contrapartidas, porque assim seremos muitos a perceber se vale a pena, ou se é uma benesse para alguém.





««« - »»»
Caricaturas
Ivo Favero
Ivo Favero

8 comentários:

Pata Negra disse...

Com estes tipos nem património nem matrimónio é só bolsamónio!
Um abraço pelo que é nosso

LopesCa disse...

Também gosto de hotéis de charme.
É sempre importante saber para onde vai o dinheiro :S

Ferreira-Pinto disse...

Deve ser isto que os tecnocrtas chamam de curtar no desnecessário ... aqueles emproados vestidos de Prada lá sabem onde fica Almourol, o Convento de Cristo ou a Citânia de Briteiros ...

Tiago R Cardoso disse...

falta total de critério na aplicação dos fundos.

Obras para encher o olho...

Jorge P.G disse...

Claro, diga-se ao menos averdade antes que esta se descubra por meis ínvios.

Bela como sempre a janela manuelina do Convento de Cristo, e Tomar.

À margem: enviei-lhe hoje um mail que gostava muito que lesse.

UM BOM ANO.

Cumps.

Anónimo disse...

Seteais é do BES, lá por Coimbra cheira a Lágrimas, Alcobaça... quem sabe! Mas o que é que o Costa vai fazer aos palácios que tem abandonados em Lisboa, que não consegue vender nem em saldos?
Perguntas bem amigo, mas não vais ter resposta de certeza.
Bjos da Sílvia

C Valente disse...

Este país é assim ou tudo ou nada,só revela governantes que não sabem governar, com temos nas empresa que não sabem gerir
e quem paga é o país , par uns há dinheiro para outros nada
Saudações amigas

ANTONIO DELGADO disse...

De vez em quando este tema sai, dinheiros exagerados num lado e a fazerem falta noutro. Parece que somos como os tocadares de flauta, tapamos uns buracos mas abrimos outros... Garrett denunciou a nossa peculiar forma de ser para com o Património. Por muitas europálias, capitais da cultura, e Expôs que se façam parece que é o futebol quem educa...

Um abraço
António Delgado