terça-feira, setembro 16, 2008

OS DESEJOS DO MINISTRO

Ouvir da boca do ministro da Economia, «É desejável que os combustíveis que usamos nos nossos carros baixem o mais rapidamente possível… É só isso que quero dizer.», só é imaginável com Manuel Pinho.

É suposto um ministro da Economia “saber” quando deve subir ou descer o preço dos combustíveis refinados, tanto mais que o Estado é accionista da Galp, o principal fornecedor de produtos refinados em Portugal. É suposto haver uma Autoridade para a concorrência que fiscaliza posições dominantes do mercado. É ainda suposto saber-se “ver” com que rapidez se actua sobre os preços quando as matérias primas aumentam, e verificar se existe correspondência quando o movimento é contrário, sobretudo quando se diz que existe total transparência e informação atempada. Também é suposto saber-se que a quase 40% de quebra do valor do crude, também devem corresponder uns tantos por cento de quebra no preço dos produtos refinados.

Não percebo nada de mercados, é certo, mas todos sabemos que o Estado ganhou com a subida de preços do crude, apesar da baixa notória do consumo, e também sabemos que os grandes investimentos da Galp, não acontecem numa altura de quebra de receitas e de lucros, ainda que particulares e empresas estejam a pagar combustíveis muito caros mesmo em relação a muitos dos nossos parceiros comunitários.

Pouco me rala que Manuel Pinho “deseje a descida rápida dos combustíveis”, o que nós queremos é que se deixem de floreados e de rodriguinhos, e se acabe com simulações de concorrência e de transparência, quando o que nós vemos é um mercado que não funciona, onde os aumentos são muito céleres e as descidas se verificam a passo de caracol perante a complacência do Estado que não regula, e ainda lucra com esta situação.

««« - »»»
Fotografias com Energia


««« - »»»
Humor

6 comentários:

elvira carvalho disse...

Deseja-se muito mais do ministro do que um desejo. Deseja-se legislação que impeça esta vergonha. E fiscalização para impedir que se faça da legislação letra morta.
Um abraço

Ferreira-Pinto disse...

O Pinho é da família dos Broncossaúrios, não é?

Anónimo disse...

Há sempre alguém que nos faz rir. Também fazem falta os humoristas.
Lol

AnarKa

Tiago R Cardoso disse...

e a BP fez-lhe a vontade, subiu um cêntimo, enfim...

Pata Negra disse...

Só tenho um caminho a apontar a este governo descaradamente comprometido com interesses de mais alto valor: se querem provar a inocência sigam o exemplo do Alberto João Jardim!
Um abraço impaciente

Anónimo disse...

Há sempre um cromo que julga que que manda, quando afinal devia reduzir-se à sua insignificância.
Bjos da Sílvia