domingo, setembro 14, 2008

FANTASIA E ESTATÍSTICA

Começa a ser penosa a tarefa dos políticos ao tentarem mascarar a realidade, e nada mais eficaz para os seus intentos do que os índices e as estatísticas, sempre seguindo fórmulas e indicadores ditados pelo poder, para confundir os cidadãos.

Pode-se constatar, por exemplo o aumento absurdo das massa alimentares, algumas estavam a 79 cêntimos há alguns meses e agora, as mesmas massas estão com preços superiores a 1 euro. Claro que podia estar aqui a desfiar um rol de produtos onde os aumentos são enormes, mas mesmo citando apenas a estatística nacional, temos a água, electricidade e gás a subirem 3,6%, e os produtos alimentares acima dos 5%.

O espanto geral é ouvir o ministro das Finanças referir-se à queda de 0,5% dos preços entre Julho e Agosto passado, e acrescentar «penso que esse é um sinal da capacidade da economia portuguesa em resistir a estes choques». Não sei como é que Teixeira dos Santos nos quer convencer de que a economia tem “capacidade” para resistir, a menos que não esteja a falar dos portugueses em geral. Então como é que aumentando tudo o que é essencial e come a fatia de leão dos salários, como a alimentação, a água, a electricidade, o gás, as rendas ou a prestação das casas, os combustíveis, os transportes públicos, as despesas com o ensino e a saúde, temos ainda “capacidade para resistir” a demagogia deste tipo?

Bem pode o senhor ministro repetir até à exaustão o seu discurso sobre a baixa inflação, mesmo sem dizer que também temos dos salários mais baixos, que ainda assim são cada vez mais os que vêem o salário acabar-se antes do final do mês. Essa realidade não deixa de ser sentida, só porque Teixeira dos Santos repete o mesmo discurso sempre que lhe dão a palavra.



Junião

««« - »»»
Fotografias



««« - »»»
Humor de Domingo
William Medeiros

Gilmar

7 comentários:

Tiago R Cardoso disse...

os números dizem pouco, quem está cá em baixo é que sente a situação.

Os políticos limitam-se a interpretar os números conforme melhor servem a sua causa.

elvira carvalho disse...

Parece que o país onde vive o ministro não é o mesmo onde eu vivo.
Um abraço e uma boa semana.

Anónimo disse...

Com os vencimentos deles até eu sou um bom gestor da minha casa. Eles que experimentem governar as suas barracas com o ordenado mínimo, e depois então falamos de inflação.
Lol

AnarKa

Anónimo disse...

Caríssimo, eu que nada percebo de economia ou de matemáticas fico espantado com estes cavalheiros ... ainda há dias divagava um que se a Zona Euro vir confirmadas as previsões inflacionistas, há que conter a massa salarial ... curiosamente, já ouvi a mesma cavalgadura dizer que como a inflação está a baixar, temos de conter a massa salarial por causa desses irresponsáveis não se porem para aí a gastar sem rei nem roque ...

Eles, de tão sapientes que são, só nos têm tramado ... mas continuam alegremente a receber aplausos conforme a cor das lentes que usamos para dourar a realidade ... uns mais a rosa, outros mais a laranja ...

Papoila disse...

Guardião
Decerto que o senhor Ministro fala do País das Maravilhas, e não deste rectângulo mais ocidental da Europa.
Na verdade tem mesmo a distinta lata de dizer que ainda não é desta que os funcionários públicos (?) ainda não é desta que vão repôr o poder de compra o que quer dizer que assume que se perdeu... para a seguir vir com as estatísticas provar que tudo vai em crescimento...
As fotos são lindíssimas e os cartoons como sempre divertidos.
Beijos

Pata Negra disse...

Parece que eles estão convencidos que somos todos burros e ingénuos a ponto de engolirmos o que eles dizem - todos não, mas muitos são:
Será que ainda existem portugueses não xuxalistas com tencionam votar PS!?
Um abraço guardião

Meg disse...

Caro Guardião,
De política já nem sei o que te diga... esses senhores devem viver num mundo virtual. Ou então andam a gozar com o pagode. Desculpa a linguagem, mas para o nível a que chegaram os nossos pseudo-políticos não há necessidade de grande rigor.
Fico-me pelo teus "bonecos". Excelentes, aliás, como sempre.
Um abraço