sábado, abril 05, 2008

À MULHER DE CÉSAR...

Esta conhecida frase ou uma outra, na política o que parece é, foram criadas por políticos e são para os políticos. Aquela que foi outrora uma actividade prestigiada e respeitada por todos, transformou-se numa profissão ou tão só numa etapa para alcançar outros fins ligados à prosperidade económica e social.

A política começou por ser um serviço à comunidade e acabou por ser um reduto onde se acautelam os interesses pessoais em primeiro lugar, beneficiando quem os possa garantir no futuro. O interesse da comunidade ficou definitivamente relegado para um lugar secundário, porque os interesses do grupo e os compromissos assim o determinam.

A desconfiança dos cidadãos é reforçada pelos exemplos que resultam da prática dos políticos, que quando abandonam a actividade não têm pejo em integrar-se em empresas ou em grupos económicos, ligados a decisões favoráveis que tomaram enquanto governantes. Se há promiscuidade ou não, nós nunca o saberemos, mas lá que fica a desconfiança, isso fica.


««« - »»»

Fotos com Penas

Alsen

verygreen

««« - »»»

Humor Nacional

8 comentários:

Raposa Velha disse...

Acrescentaria ainda se ficaríamos mais pobres sem eles.

ANTONIO DELGADO disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
ANTONIO DELGADO disse...

Como desenhava o Rafael Bordalo Pinheiro: " a politica a grande porca" que dá de mamar a muitos. Bem oportuno o post e as caricaturas são excelentes com critica muito necessária e corrosiva.

Um abraço

Jorge Borges disse...

Caro Guardião,
Claro que não ignoras que Von Clausewitz escreveu, na sua A Arte da Guerra, que a guerra era a continuação da política por outros meios. Inspirado por esta tua análise, sinto-me tentado a dizer que a política é a continuação da economia por outros meios...
Abraço amigo

Pata Negra disse...

Toda a gente vê a sem vergonha e muita gente a legitima pelo voto: será que estamos todos à espera da nossa vez? Será que o humor com que tratamos o assunto é uma forma de não abrirmos o armeiro?!
Um abraço revolucionário

Meg disse...

Ó amigo Guardião, de certeza que só fica a suspeita?
Será que estás a falar do Jorge Coelho e da Mota Engil?
Até já se pode dizer os nomes e tudo... suspeita?
E será que a palavra ÉTICA foi substituída no dicionário por bué de fixe?

Náuseas!!!

Um abraço

Meg disse...

Eu bem me parecia que tens audado ausente, pensava que era eu... coincidimos.
Afinal não tens estado cá.

Olha adorei os bonecos, a maior parte das vezes nem me lembro de to dizer.

Um abraço

A. João Soares disse...

A política é uma etapa dos menos competentes, para conseguirem tornar-se notáveis e ricos. Como a actividade está desacreditada em questão de ética, fica o receio de Portugal continuar a ser mal governado por muitos mais anos, em virtude de os mais aptos não quererem meter-se em funções governativas, para que o seu bom nome não seja enlameado.
Quanto aos empregos dos ex- isso mostra que os empresários têm uma moral de gratidão, compensando aqueles que lhes fizeram favores.
Alguém chama a isto «tráfico de influências», mas a minha coragem não chega a tanto!

Abraço
A. João Soares