segunda-feira, fevereiro 25, 2008

CURTAS MAS ACTUAIS

Falta empenho aos privados – Esta afirmação é atribuida ao ministro da Cultura, no mesmo texto do DN onde se diz que Pinto Monteiro “afirma que a Cultura tem vindo a ganhar importância estratégica no discurso político do Governo”. São curiosas estas afirmações do novo ministro, que recordo disse que queria fazer mais com menos dinheiro. Pelos vistos pretende governar o Ministério da Cultura com discursos, porque dinheiro é coisa que não há, todos sabem e está bem claro no Orçamento de Estado. Talvez alguém ainda venha a recordar Pinto Monteiro que as exposições que conseguiram alcançar sucesso, e que tiveram muito público, só foram possíveis devido aos patrocínios porque dinheiro é algo que não abunda para os lados do Palácio da Ajuda.

Trapalhadas do Casino – Tem sido um verdadeiro carrosel de declarações interessantes, este assunto do edifício do Casino de Lisboa. Ninguém se quer chegar à frente e assumir que deu o edifício à Estoril-Sol, e todos afirmam que defenderam de forma adequada e intransigente os interesses do Estado. Claro que já se percebeu que o edifício não vai voltar às mãos do Estado após o término da concessão, mas é tudo demasiado confuso. Não foi nenhum ministro, nem nenhum governo, presume-se que terá sido alguma funcionária da limpeza ou um segurança que engendrou tudo aquilo. Exemplar!

Maleitas da Saúde – É o próprio “pai do SNS”, António Arnault, que vem afirmar preto no branco que o nosso sistema de Saúde cobre menos pessoas que há 30 anos. Mais, afirma ainda que “foram degradando o SNS e nunca se viram tantos privados como agora... . Há por vezes uma tentativa de desacreditar o SNS. A saúde é um filão apetecível para o lucro.” Que hei-de eu acrescentar a isto, que os meus leitores não saibam ou não suspeitem?

««« - »»»
Humor Nacional
Aniversário
»»» - «««

Fotos no Campo

n 03 by *TroubleNight

n 01 by *TroubleNight

««« - »»»

Humor Internacional

6 comentários:

SILÊNCIO CULPADO disse...

Guardião
São todas curtas mas boas. Por aqui se vê os retrocessos que se estão a verificar em áreas essenciais. Não é por acaso que Portugal desceu da 28ª. para a 29ª. posição no ranking do PNUD e continua a ser o país da UE com maior clivagem entre ricos e pobres.

Gostei também dos cartoons.

Um abraço

Mocho-Real disse...

Os 3 importantes pontos abordados vão todos dar ao mesmo poço onde estão: a incompetência governativa, a prostituição dos valores sociais de um país à asfixia economicista em que somos conduzidos e, ainda, a um doloso aligeirar de culpas dos responsáveis máximos por cada sector vital da vida nacional.

Cumprimentos e boa semana.
Jorge G.

Anónimo disse...

A cultura, a justiça e a saúde são bons exemplos do que vai mal por este jardim à beira mar plantado, e do crescente descontentamento da malta. Mas há mais ... educação, economia, turismo, finanças, etc.
Sócrates bem se pode preparar para ser recebido com vaias onde quer que se desloque, a menos que o faça secretamente e/ou coloque um perímetro de segurança, à laia de cordão sanitário à sua volta.
Fui

Joca

quintarantino disse...

Três tópicos, três tiros certeiros na realidade lusitana.
Gostei particularmente do referente ao Casino pois, de todos, é o que melhor ilustra que, seja quem seja a mandar, é tudo a mesma corja. E a pressa que lá no PSD têm de atirar o "menino" de colo em colo, e até para o parceiro que outrora foi amigo, para não ficarem queimados!

Pata Negra disse...

A cultura cria-se e desfruta-se, não precisa de dinheiro nem de ministros.
Para que quer o Estado um casino? Era o que faltava o estado também andar metido nesses vícios!
Os portugueses que não bebam, não fumem, nem comam toucinho! Um povo que precisa dum SNS é porque está doente!
Vai um brinde: À saúde de Sócrates! À cultura de Sócrates! Á roleta de Sócrates!
Dos amigos da sueca, da taberna e dos copos!
Um abraço em dia contra

Savonarola disse...

Caro Guardião,
Está a ver-se que não será com este ministro todo aperaltado que a Cultura dará o "salto". Para mal de um país já, de si, tão pobre culturalmente.
Um abraço anarquista