sexta-feira, janeiro 18, 2008

FISCALIZAR A SAÚDE

A Lei do Tabaco continua a deitar imenso fumo para os olhos dos portugueses, e assistimos todos a um espectáculo lamentável, onde se percebe que afinal não é a Saúde que está em causa, mas sim os interesses económicos.
Achei curioso que o director-geral de Saúde Francisco George tivesse vindo a público dizer que os locais para fumadores devem ser fiscalizados em primeiro lugar para mostrarem que têm as «condições aceitáveis» para o cumprimento da lei. Sempre assumi que os fumadores sabem perfeitamente que o tabaco faz mal à saúde, e que lá por estarem confinados a um espaço expressamente destinado a fumadores, os malefícios não diminuem, pelo contrário.
Eu esperava algo muito diferente do director-geral da Saúde, como por exemplo que se detivesse sobre as condições de funcionamento dos hospitais, dos centros de saúde e de outros aspectos como as condições relativas à saúde nos locais de trabalho. Talvez eu seja muito ingénuo, mas continuo a achar que a Lei do Tabaco apenas visa fechar uma parte substancial de cafés e restaurantes, que parecem incomodar o senhor presidente da ASAE, deixando apenas espaço aos estabelecimentos “normalizados” e incaracterísticos, iguais e assépticos.
Afinal Francisco George apenas tem dúvidas quanto aos casinos, de resto está inteiramente empenhado na cruzada contra os fumadores.


»»» - «««

Desenhos de Cavalos

Footless by *Mutley-the-Cat

Shah by paperdragon1967

««« - »»»

Humor em Francês

Hic

Delize

9 comentários:

C Valente disse...

Saudações amigas

walter disse...

Raios partam a este governo e a quem o apoiar. Convido-te a tomares um copo no meu Cadeirão.

quin[tarantino] disse...

Tudo ao contrário, tudo ao contrário...

zé lérias disse...

O povo é sereno. Isto é só fumaça!
Vão ver que os gajos da UE ainda vão voltar atrás por causa dos impostos que deixam de ser cobrados.

A sério: Acho bem que os mais ricos continuem a fumar entre eles nos casinos e noutras catedrais do "pilim". Pode ser que assim, dentro de pouco, sejam os únicos a "apanhar p'ra tabaco" no que diz respeito a doenças.
;)

Um abraço

AnarKa disse...

O tipo das barbas não acerta uma. Será que ele fiscaliza a Saúde? Afinal virou apenas mais um dos talibans da ASAE, que já é a nossa política dos costumes.
Lol

Mocho-Real disse...

A cada dia vamos tendo mais provas do que alguns de nós, como eu, afirmámos sempre. Esta é uma lei estúpida, prepotente e demagógica. Chega mesmo a ser cínica a forma como as autoridades estão a pretender que "se deixe de fumar"!

Quando um alto "responsável" pela Saúde está preocupado em que rapidamente se possam conceder "alvarás" para que se possa fumar à vontade em espaços reservados para o efeito, está-se ao mesmo tempo a brir caminho para uma nova exploração de espaços comerciais. Quais? Os brown-cafés, ou seja, espaços reservados só para fumadores.
E eu pergunto: quem está preocupado com a saúde?
Preocupados, sim, estão em fazer cumprir o que lhes mandam sem perder as belas maquias dos impostos sobre o tabaco.
Vale uma aposta que os Brown-Cafés de Amsterdam não hão-de tardar muito a aparecer por cá?! E será um negócio fantástico, vão ver! O Belmiro provavelmente até já estará atento!

Vão bardamerda, hipócritas nojentos!

Um abraço (irritado)

walter disse...

Vem tomar um copo ao Cadeirão da Malta que há novidades frescas.

Pata Negra disse...

Uma coisa estes senhores já conseguiram: acabar com a boa mesa portuguesa e pôr os portugueses em histeria anti-tabágica.
Hospitais? Que é isso? Eles vão a clínicas ao estrangeiro!
Um abraço

A. João Soares disse...

Fumar ou não fumar, eis a questão!
Cada um deve ter liberdade de se suicidar. Mas não deve «suicidar» os outros!!! Não sou fumador e já tive de engolir muito fumo em segunda mão! Ao ponto de um médico com a radiografia na mão me dizer que devia passar a fumar menos porque via muita fuligem nas vias respiratórias.
Por isso me agrada que se deixe de fumar. Mas gostava que essa redução do tabaco surgisse por civismo e não por proibição tão drástica e espalhafatosa.
Devia ser proibido proibir, principalmente quando logo à partida estão a aparecer tantas excepções que mostram que o objectivo não é a saúde.
Abraços