quarta-feira, junho 27, 2007

A CULTURA E O PODER

O funcionamento e a gestão do Ministério da Cultura têm sido alvos de muitas críticas, não só pela paralisia resultante da falta de verbas, mas sobretudo pela ausência de visão e de uma verdadeira política cultural. A escolha desta ministra não foi um mero “erro de casting” como alguns sugerem, mas sim uma desgraça para a Cultura em Portugal.
Nenhuma instituição, pública ou privada, pode funcionar devidamente sem directivas e objectivos definidos, e esta é a situação no Ministério da Cultura. Planos de actividades não se podem delinear sem se saber os meios de que se pode dispor a prazo pelo menos de dois ou três anos, o mesmo se passa com intervenções de manutenção e restauro de bens imóveis, e isto são apenas dois exemplos do que falha rotundamente.
Não é por acaso que se fala em autonomias para a gestão de museus e monumentos ou da extinção do ministério e a substituição por uma secretaria de Estado, como ouvi ontem.
Todos pretendem ter soluções para a Cultura, desde as autarquias até aos privados, que há muito cobiçam, especialmente os monumentos mais visitados e que geram por si mesmos receitas que garantem a sua sustentabilidade. Não concordo com este tipo de raciocínio, porque o problema reside sobretudo no planeamento e na definição dos objectivos a prazo, com a dotação de meios razoáveis e seguros por espaços de tempo definidos à partida. Falo de responsabilização que é algo que só é imposto aos funcionários e nunca aos dirigentes dos serviços, que são escolhidos, maioritariamente, por confiança política, ficando logo à partida manietados quanto sua capacidade de exigir o que quer que seja, sob pena de serem ostracizados. Também pela mesma razão, a escolha política, não são penalizados por não cumprirem objectivos, que são assim vagos q.b., quase secretos como convém, e sempre passíveis de serem desculpabilizados com o recurso ao alijar de responsabilidades, para cima dos subordinados através do recurso a avaliações menos boas.

««« - »»»
Todo o indivíduo tem direito à liberdade de opinião e de expressão, o que implica o direito de não ser inquietado por causa das suas opiniões e o de procurar, receber ou difundir, sem consideração de fronteiras, informações ou ideias por qualquer meio de expressão.
( Art. 19o. da Declaração Universal dos Direitos do Homem - Dezembro de 1948 )
(Enviada pelo amigo Ludovicus)

««« - »»»

Porque a memória é curta

MEMÓRIAS - Escutas no processo Casa Pia
sicnoticias2003
http://videos.sapo.pt/aWCBzS2SIhahWzoftzgZ
(In Sulista)

««« - »»»

Escolha fotográfica

Hunger by =perilous-dreamer

««« - »»»

Cartoon
Cameron (Cam) Cardow

4 comentários:

Kokuana disse...

A Cultura em comentário sério, numa altura em que se prepara uma "OPA" ao sector. As mensagens e as memórias começam a ser cada vez mais necessárias.
Hambanine

Anónimo disse...

É a COltura da batata que nos querem impingir...dão cabo de tudo. Miséria! Pobres de espirito estes desgovernantes...
Temo0s que não nos calar!!!!!!


Gostei de reler o artigo da
Declaração Universal...vou
'levá-lo' tb para o bloguito...


Abraços Guardião ;-)


Sulista

Joca disse...

Depois do Centro Cultural do Berardo que mais vai acontecer para as bandas da Cultura? Isto está a saque...
Fui

Meg disse...

Olha, Guardão, não sei onde vamos parar, tal é a confusão. Até já parece a CML. Aquilo deve ter qualquer atractivo que nos passa ao lado. Com a Cultura, daqui a pouco estamos na mesma, se já não estamos.
Um abraço