segunda-feira, outubro 24, 2005

O TIRO AO LADO

O discurso “economês” está a ficar cada vez mais irracional na sua fixação no ataque aos funcionários públicos. Digo que é absolutamente irracional, porque os economistas são unanimes em afirmar que é no sector privado que se cria riqueza e que o mesmo é que é a mola que impulsiona a economia. Partindo deste princípio, que não discuto, Portugal tería empresas dinâmicas e prósperas a produzir produtos inovadores e com muito valor acrescentado que seríam competitivos pela sua qualidade nos mercados externos, o que não é verdade.
O tiro ao lado que eu reitero é na identificação dos males de que padece a economia nacional que se prendem com a falta de organização e planeamento, com a estabilidade de políticas económicas e fiscais e com a dependência excessiva dos privados em relação ao Estado.
No sector privado o objectivo primordial é o lucro e a expansão do negócio, sem margem para dúvidas, mas muitos teimam em apostar mais no custo do trabalho do que na inovação na qualidade e na incorporação de valor ao produto final. Esta aposta está esgotada, mesmo assim há quem brade aos céus pelo congelamento de salários e acene com valores do PIB, irrisórios claro está, fingindo desconhecer a enormidade da economia paralela e da fraude fiscal que permite que haja grandes fortunas que alegremente se passeiam impunemente por paraísos fiscais.
A economia não tem de ser uma ciência oculta, pode muito bem ser comparada a um edifício que se quer restaurar. Começamos por arranjar o telhado (altas chefias e outras elites), depois verificam-se as estruturas eléctricas, canalizações e esgotos (racionalizar meios físicos, humanos e materiais), só depois é que se parte para os acabamentos e a decoração. Tudo será mais fácil se houver ponderação, planeamento e organização.
Construir é de baixo para cima, reestruturar é de cima para baixo. As elites são o maior grupo de interesses e o mais poderoso, basta abrir-mos os olhos.

Sem comentários: