sexta-feira, agosto 19, 2005

LIBERALISMOS


Uma das bandeiras mais invocada pelos senhores economistas é a do liberalismo económico como solução milagrosa para preços justos e para o desenvolvimento. Está por provar que seja uma receita ideal esperar que o mercado liberalizado se regule a ele próprio, logo porque temos um mercado interno reduzido e porque a lógica do lucro é fundamental.
A única garantia, para os cidadãos, de regulação do mercado só pode ser a acção fiscalizadora do Estado. Aqui surge de imediato a relutância dos economistas e dos grandes grupos económicos que arremessam com a burocracia e o peso do Estado, como se isso não fosse apenas um problema de adequação das leis, dos processos e organização.
A bandeira do liberalismo não colhe porque os exemplos que há são muito maus. Nos medicamentos começa-se a perceber o reflexo que a medida vai ter para os contribuintes com os cortes nas comparticipações dos mesmos. Nos combustíveis até já um ministro veio classificar a situação de cartel. Nas estradas temos má qualidade de serviço e aumentos acima da inflação para já não falar nos lucros elevados, que podiam ainda hoje ficar nos cofres do Estado e sem indemnizações chorudas a concessionários. A seguir parece que vamos para os fundos de pensões, e quando se fala de garantias começa a desenhar-se o problema.
Estes são apenas alguns dos exemplos do que a liberalização pode fazer, se continuar o esvaziamento de funções do Estado. Há princípios que enformam a acção dos Estado: Regular, Fiscalizar e Redistribuir. Abdicando destas funções quão perto ficamos da anarquia?

Sem comentários: