sábado, agosto 13, 2005

AS SANGUESSUGAS

As opiniões difundidas pela comunicação social, com o selo de qualidade inquestionável, são geralmente da autoria de economistas e especialistas em direito com ligações às universidades e ao mundo da política. Por coincidência, ou talvez não, os diferentes governos são constituídos, em grande parte, por cidadãos ligados às universidades e aos partidos políticos. Também está em voga o termo, independente, que não disfarça a tendência política e que, não raras vezes, tem origem em poderosos grupos económicos.
As análises feitas por estes senhores, muito respeitáveis certamente, incidem invariavelmente de um modo bastante crítico em relação aos que se situam na facção política adversária e, curiosamente atacam concertadamente os trabalhadores da função pública, segundo eles, as sanguessugas, os parasitas, os privilegiados e a causa dos gastos exagerados do Estado.
É conhecida a actividade destes analistas e comentadores em funções governativas, em comissões de inquérito e de avaliação de projectos, em comissões de estudo, na elaboração de plataformas eleitorais, em pareceres económicos e jurídicos, etc. . Poucos são os que não têm, ou tiveram algum tipo de ligação com organismos estatais e directa ou indirectamente tiveram alguma interferência em actos governativos.
Por que raio, apesar de tudo o que se disse, todos atacam os trabalhadores do Estado? A simplicidade da resposta até a mim me desarmou: apenas porque a culpa é sempre dos outros, e aqui o único denominador comum são os funcionários.

1 comentário:

Zé Povinho disse...

Eles falham, eles erram, eles dizem e fazem asneiras, mas a culpa é sempre dos outros. Comem todos à mesa do orçamento, mas o dinheiro mal gasto, é o que é gasto com os outros.
E diz-se esse senhor, JCN um bom cristão! Puxa, vida...